26/07/16

Permanência

Penso
ainda haverão tantas luas neste corpo
quisera ser oca mas aqui não cabe o vazio
Vivo
uma militância forçada
na qual o ser completo é uma revolução.
Basta eu narrar-me para fomentar subversão

Ocupar um espaço já é atrapalhar a ordem.
(não caibo dentro de mim)


* notas de rodapé da madrugada mal dormida

23/07/16

Tormenta

relampejo vontades ideias ambições
trago quereres e questões
coagulam em minhas veias furacões de agonia
borbulhantes tremores e arrepios
Explodo em tempestades
no entanto
a náusea te é inerente
sou apenas um reflexo sincero e impudente

não me culpo por isso
não me culpo por nada disso

Toulouse, 23/07/2016

* coisas ruinmente escritas e piormente sentidas

Vento Ventania Vendaval

Curiosidade e teimosia.
mistura explosiva para a mente que nunca descansa
Já procurei silêncio.
Já desfrutei do ruído nulo. Hoje é angústia.
que medos carrego comigo?
fujo de todas as minhas vozes inquietas e desordenadas. gritos tão assustadores quanto sussurros.
Resquícios de uma masmorra na qual já não quero me trancar.
Não quero saber qual foi a armadilha. Mas a ignorância já é uma busca. mutismo súbito inexplicado. complexidade de um nó que eu só quero saber de desatar. o impossível estipulado por uma vontade alheia à minha. Funcionou.
Mas não deu certo.
Só quero saber de desvendar mistérios. E se isso tudo foi elaborado pela sua inteligência, você é vil, porque eu gosto de engenhosidade.

o vento efêmero provoca fogueiras perenes